Vai passar

postado em: Pensamentos | 0

vai passar

 

A cada dor que você sente no peito, como se alguém estivesse apertando o seu coração com as mãos, te sufoca. Você fica sem ar. O sangue para de circular nas mãos. Seu cérebro trava e, simplesmente, as coisas boas vazam pelos poros da sua pele, junto com o suor frio.

Tudo isso não é exagero, não é drama. Tudo isso é sentir demais. Amar demais. Preocupar-se demais. Cuidar de mais — cuidar-se de menos.

A cada lágrima que escorre, causada por uma incompreensão, uma lembrança boa fica mais distante. E a cada pingo agridoce, você sente que está mais longe ainda de tudo o que já te deixou imensamente feliz.

E a cada evento que antecedeu lágrima por lágrima? Incredulidade? Não dá para saber. Mais uma vez, apenas sentir. Tudo se transforma em um enorme borrão de mentiras e ilusões. A sensação é a mesma de um terremoto: você começa a perder a segurança nas bases que você um dia achou que fossem seguras.

Lembra daquela escada com cheiro diferente? Do quartinho apertado, da bagunça reconhecida, das receitas de domingo, dos gritos na madrugada, das promessas e planos? Tudo líquido, como já alertava Bauman (que vá em paz). E eu transbordei. Líquida também é a lágrima, que escorre e seca. É a vida que muda a cada manhã. São os relacionamentos — todos eles — que surpreendem. De maneira positiva ou não.

As coisas, na verdade, acontecem como devem ser. Experiências, decepções, surpresas. Você só não se conforma com o fato de ter vivido uma grande história ficcional. Inventada e atuada por duas pessoas que até acreditavam estar sendo apolíneas, mas que eram completamente, absurdamente dionisíacas.

E a cada palavra que sai, cada lembrança boa que esvai, cada mentira que aperta, o coração pulsa forte. Mas o que importa é que ele pulsa pois não parou. E não vai parar, porque você já passou por dores piores, perdas maiores. Então, no fim, sabe que podem se passar dias, meses ou anos. Mas que vai acabar e os raios e trovões dão lugar à calmaria. Novas histórias. Novas pessoas. Novas paixões. Novos eus.

 


 

Deixe uma resposta